Quarta-feira, 21 de Julho de 2010

O tempo não volta para trás

O país – para não parecer demasiado acomodado com  o seu destino – gosta de indignar-se uma a duas vezes por ano. O programa de revisão constitucional do PSD já teve esse efeito de toque a rebate – ainda não  foi aprovado mas já agita consciências e acorda complexos adormecidos. E porquê? Por pretender apagar da Constituição conceitos como o “direito à autogestão”, o direito dos trabalhadores a participarem na gestão das empresas públicas e o direito de expropriação dos meios de produção ao abandono. Outras exigências constitucionais como o julgamento dos ex-membros da PIDE são também eliminadas. Das duas uma: ou queremos uma Constituição que pertença ao século XXI ou guardamos num texto sagrado as relíquias do PREC. Porém, por muito que a Constituição dê abrigo a vestígios arqueológicos do pensamento marxista, o tempo não volta para trás.

publicado por afacevisivel às 00:07
link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De Pedro Ponte a 21 de Julho de 2010 às 06:22
A mesma água não passa duas vezes debaixo da mesma ponte.Mesmo que seja a ponte de Vila Formosa...


Comentar post

_Mais sobre mim

_Pesquisar neste blog

 

_Setembro 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
17
18

19
20
25

26
27
28
29
30


_Posts recentes

_ Casamento homossexual, ab...

_ A promoção de Vara

_ A tosta mista e patriótic...

_ Um novo milagre das rosas...

_ É tão feio mentir a um il...

_ O Dia Europeu com Marijua...

_ Continuamos no pelotão do...

_ Os demónios internos do P...

_ Um país de chefes

_ O País das Maravilhas de ...

_Arquivos

_ Setembro 2010

_ Julho 2010

_ Junho 2010

_ Maio 2010

_ Abril 2010

_ Março 2010

_ Fevereiro 2010

blogs SAPO

_subscrever feeds